terça-feira, 16 de abril de 2013

Provas do Ano de Fundação do FCP e a mentira que nos têm deixado


Toda a verdade sobre ao ano de fundação do F.C.Porto.
Chegaram-nos às mãos documentos importantes, que demonstram e provam a verdadeira data de Fundação do F.C.Porto, clube fundado por pessoas de bem, trabalhadoras e que nada mais desejavam do que aprender a jogar futebol.
Nos dias de hoje, meia dúzia de pessoas apagaram ou tentaram apagar da história a real data de fundação do clube, tal como apagar da história os nomes daqueles que por bem e com vontade apenas de praticar o bem fundaram o Clube que em tempos foi honesto e que orgulhava a cidade que ostenta o nome:

O Extinto semanário "O Tripeiro", que se devotava com carinho a remexer velharias históricas da cidade do Porto, publicava em 1 de Março de 1926 uma interessante exposição por António Martin, funcionário superior do Governo Civil e sócio fundador do F.C. Porto,. que por ser valiosa e competente, merece ser focada a sua história:
    Transcreve-se, portanto como como pormenor elucidativo e preliminar valioso o que nos afirma António Martins:

Por achar interessante vamos descrever como foi organizado o Football Club do Porto, o brilhante grupo desportivo que tanto tem honrado o nome da nossa terra.
    Sentimos grande contentamento em fazer esta descrição, não só pela honra que temos em ser um dos instaladores daquele club como também evocarmos uma época saudosa da nossa descuidada mocidade.
   
    Existia há trinta e tal anos, no l'orio, o Grupo do Destino, composto de uma rapaziada alegre, ruidosa, entusiasta, buliçosa, cuja missão, era divertir-se após as horas de trabalho.
Não havia local onde bem se comesse e onde bem se bebesse que o Grupo do Destino não conhecesse!
    Rima e era verdade! Aquilo eram bons estomagos e bons gastrónomos! Partidas, piadas, blagues bom humor, tal era o programa do Grupo do Destino.
    As suas festas marcavam pela originalidade e decorriam sempre cheias de entusiasmo! Com que recordações lembramos essa mocidade cheia de alegria e entusiasmo!
    Um dia, o presidente do grupo, isto pelas alturas de 1904 ou 1905, o saudoso José Monteiro da Costa, foi com seu pai visitar a Espanha, França e Inglaterra.
nas constantes epistolas que nos enviava com notas da sua viagem, descrevia com entusiasmo um jogo de bola a que tinha assistido em Inglaterra, e que logo que chegasse ao Porto nos daria algumas explicações afim de também o jogarmos.
    Anunciada a sua vinda um grupo de amigos sinceros, pois Monteiro da Costa de tudo era merecedor, foi espera-lo a Ermesinde. Foi uma alegria doida a sua chegada. Monteiro da Costa, até ao Porto descreveu rapidamente as impressões da viagem, tendo frases as mais entusiásticas, para o tal jogo da bola, que muito o interessara e que era nem mais nem menos que o foot-ball.
    Ouvi-lo e resolver que o Grupo do Destino organizasse um grupo de foot-ball foi obra de um momento.
    Os presentes já sabiam que com o que fosse resolvido todos concordavam:
a divisa do grupo era um por todos todos por um.
    Passados dias organizou-se a reunião magna de todos os sócios para tratar do importante assunto - a instalação do grupo de foot-ball.
    Com as Costumadas piadas falecias blagues, etc., apareceram de entrada dois obices a resolver: - 1º, o desconhecimento completo, por parte de todos os sócios de tal jogo, e a falta de capital, pois, com toda a sinceridade o dizemos a maioria dos sócios eram alegretas mas...  pobretas!
    Como se sabe, no Porto, o foot-ball era quase desconhecido. Somente existiam dois Clubs onde se fazia esse jogo, que eram o Oporto Crickett e o Boavista Foot-ball aquele composto pela rapaziada das casas comerciais estrangeiras desta cidade, e este pelo pessoal da fábrica Graham, na Avenida da Boavista.
    Estes Clubs várias vezes se encontraram em desafios nos seus campos de Foot-ball.

Foi logo nomeada a comissão administrativa  para dirigir os negócios do club, ficando na presidência José Monteiro da Costa, e como secretário, o autor destas desataviadas linhas.
    Nessa ocasião, foi também escolhida a côr da "equipe", e caso curioso apesar da maioria dos sócios instaladores ser republicanos  - alguns até comprometidos nas conspirações - a história recaiu no azul e branco, pois eram as cores da bandeira nacional.
    Foi alugado um bocado de terreno na rua Antero de Quental, onde os sócios instaladores se iam treinando no jôgo.
Um dia apareceu no club um italiano - Catulo Gadda - empregado na fábrica mariani, ás Devezas disposto a jogar. Foi recebido de braços abertos pois era alguém que conhecia o foot-ball. Era um explendido defesa, pelo pontapé forte que possuía.
    Já tínhamos dois onzes, mas pouco fazíamos. Pois se não tínhamos nascido para aquilo...
Certa tarde andávamos no campo treinando, e alguém nos comunicara  que um cavalheiro desejava falar-nos. Fomos ter com esse cavalheiro e reconhecemos a vontade que tinha de nos ver jogar.
Mostramos-lhe o pouco conhecimento que tínhamos de foot-ball e passados minutos o tal cavalheiro concordava que realmente ainda estávamos um pouco atrasados na técnica do foot-ball...
Mr. Cassaigne, ilustre súbdito Francês, muito conhecido nesta cidade e que era o cavalheiro que desejou ver jogar, foi muito amável na apreciação que fez do nosso jogo, pois não estávamos atrasados estávamos atrazadissimos...
    Conhecendo a boa vontade de mr. Caissagne em prestar-nos os seus serviços, pedimos para tomar a direcao técnica do football, a que acedeu com todo o entusiasmo . Não fomos só nos os , mr. Cassaigne
    Entrou para sócio o conhecido desportista Rómulo Torres, que imediatamente propôs também, entre outros António Calem, Antunes Lemos, António Sá, Eduardo Vilares, Nuno Salgueiro, e António Campos, que conheciam muito bem o football António Campos, que conheciam muito bem o football. E, assim com todos estes elementos, j]a se via aos domingos o campo- já agora o tamanho que as regras indicavam todo cheio de uma afluência que ali corria para ver com todo o interesse as varias fases do football. Romulo Torres, sempre disposto a ao levantamento do club, organizava constantes desafios com os dois clubs que existiam  o Oporto Crickett e o Boavista, e assim o football Club do Porto inicia a sua carreira auspiciosa.
    Dos instaladores ainda sao vivos, parecendo/nos porem que nenhum e sócio Amadeu Maia, jornalista: Cândido Pinto da Mota e Manuel Luiz da Silva, despachantes oficiais: Joaquim Pinto Rodrigues de Freitas, e Álvaro Osório da Silva Cardoso: Industriais: António Moreira da Silva, Joaquim António Mendes Correia António Augusto Baptista Júnior, Comerciantes: Albino Costa e Lopes de Faria, empregados comerciais: Manuel Sacramento, Armador: Joaquim Silva, Negociante: e o autor destas linhas.
    E aqui esta como um club organizado por rapazes que ignoravam por completo o que era football tanta propaganda tem feito em prol deste desporto...

    Escusado será dizer que com a vida do Football Club do Porto morrem o Grupo do Destino.
    Aqueles rapazes que a ele pertenceram e que a morte arrebatou, o preito da nossa sincera amizade.

Fevereiro de 1926,

Antonio Martins








A Mentira da Fundação do FCP II

Em 11 de Outubro de 2011 o blog Em Defesa do Benfica publicou:


EFEMÉRIDE
             
José Monteiro da Costa 12 de Outubro de 1881 / 30 de Janeiro de 1911 Fundador do FC Porto em 2 de Agosto de 1906





Hoje, completam-se 130 anos do nascimento, em 12 de Outubro de 1881, de José Monteiro da Costa, fundador do FC Porto, em 2 de Agosto de 1906, falecido aos 29 anos, em 30 de Janeiro de 1911.


José Monteiro da Costa foi durante muitos anos honrado pelos portistas como seu fundador, entre 1906 e 1987, ou seja, durante 81 anos. Até que Pinto da Costa, intrujão, decidiu que o FC Porto tinha sido fundado, em 28 de Setembro de 1893, por António Nicolau de Almeida, nascido em 19 de Outubro de 1873 e falecido, aos 74 anos, em 21 de Fevereiro de 1948.

A intrujice é tão grosseira que nem necessita de ser desmontada tão absurda é a aldrabice. Mas vamos aos factos.

Primeira intrujice: A suposta fundação
Em 28 de Setembro de 1893 um jornal de Lisboa, actualmente inexistente denominado “Diario Illustrado”, publicava a seguinte notícia.



A apropriação desta notícia como fundação do FC Porto é uma mentira que só lembra a aldrabões e é propagada (em propaganda), desde 1988, por idiotas que são cúmplices da aldrabice.

Há algumas questões que importa, desde já, salientar.

Por que saiu a notícia num jornal de Lisboa (que não eram lidos no Porto, a não ser esporadicamente e um dia depois), não havendo qualquer referência à fundação de um clube, nos onze jornais da cidade do Porto que se publicavam nesse tempo, incluindo os três maiores: Jornal de Notícias, Primeiro de Janeiro e Comércio do Porto? Nenhuma notícia em jornais da cidade onde o clube era fundado e interessava publicitar para atrair sócios?

Por que se assume a data de saída do jornal (em Lisboa) como data de fundação, sem que nada, acerca desse assunto, se refira no texto, pois não se escreveu “Fundou-se, hoje, no Porto…”

Por que se lança um repto a clubes de Lisboa, quando se sabia que na cidade do Porto a colónia inglesa da cidade disputava, pelo menos desde 1892, jogos no Campo Alegre (Campo dos Inglesinhos) entre associados do Oporto Cricket Club, do Oporto Tennis Club e de grupos episódicos de futebolistas ingleses?

Porque se destaca a popularidade do ciclismo (cycles)?

Para perceber a notícia – e as quatro questões - é necessário entender o futebol português entre a última década do século XIX e a primeira do século XX.

Três factos
O futebol era praticado, e visto, por um grupo muito restrito de pessoas. Os pouquíssimos jogos (por vezes 2/3 por… ano) eram realizados em terrenos públicos ou propriedades privadas. Os clubes, muitos com existência efémera, não tinham Sedes, nem Campos, nem moradas e telefones para contactos. Não havia competições oficiais ou oficiosas calendarizadas, mas apenas, e só, jogos esporádicos e raros, entre equipas.

Para combinar a realização de treinos ou jogos só existiam duas possibilidades. Combiná-los nas tertúlias, de sábado à noite e domingo, que reunissem alguns praticantes que depois podiam atrair outros jogadores nos dias seguintes, nos locais de trabalho, estudo e lazer. Lançar reptos através da publicação de notícias em jornais, desafiando outros futebolistas a jogar. As notícias em jornais eram mais difíceis de conseguir (era necessário uma “cunha”, o que em Portugal, até nem é difícil!), mas, obviamente, proporcionavam melhores resultados por serem públicas: mais divulgação (mais visibilidade), mais interesse (por haver mediatismo) e outro tipo de pessoas que não apenas os intervenientes, pois até quem não jogava podia passar pelo jogo como espectador.

O futebol em Lisboa estava muito mais desenvolvido que no Porto. Em Lisboa, praticava-se por ingleses e portugueses, desde 1888, em Cascais e 1889, em Lisboa. Havia jogos em propriedades privadas de empresas inglesas (Quinta Nova em Carcavelos e Cruz Quebrada) e em terrenos públicos – Campo Pequeno e Terras do Desembargador, às Salésias de Belém. Havia clubes bem organizados, já com histórico. Havia acompanhamento, ainda que rudimentar, da imprensa lisbonense. Havia divulgação pública e mediática.
No Porto, o futebol era jogo de ingleses, praticamente privativo, no Campo Alegre, apenas acessível a portugueses que fossem amigos de ingleses que jogassem. Daí que em 1906 é famosa a frase do sócio n.º 3 do FCP, António Martins que escreve a propósito das dificuldades em transformar o Grupo do Destino em FC Porto: “… o desconhecimento completo, por parte de todos os sócios, de tal jogo…”


Perceber a notícia
Tendo em conta o futebol da época, em particular no Porto, os portugueses que quisessem começar a jogar futebol dificilmente o poderiam fazer defrontando os mais experientes ingleses. Se em Lisboa, era muitíssimo difícil aos portugueses defrontarem ingleses, no Porto seria impossível. Sabe-se que a colónia inglesa portuense, ainda era, socialmente mais elitista que a lisbonense. O futebol, e o desporto, não seriam excepção, em relação às outras actividades sócioculturais. Em Lisboa, os futebolistas portugueses tinham de se “afamar”, ou seja, ganharem notoriedade de muito bons/ imbatíveis perante os outros grupos de futebolistas portugueses para serem aceites como adversários pelos ingleses. No Porto, além do elitismo inglês, nem sequer havia tradição de disputas futebolísticas entre portugueses. Ou seja, no Porto, os portugueses que quisessem aprender a jogar futebol tinham de o fazer entre eles, entre quem não tinha experiência. Não podiam “contar” com os ingleses. Caso complicado!

Sabe-se, porque há notícias e documentação, que António Nicolau de Almeida (ANA) pertencia ao Velo Club do Porto (fundado em 29 de Outubro de 1892), grupo que evoluiu a partir do Clube Velocipedista Portuense, fundado em 9 de Março de 1880. A primeira competição “desportiva” de ciclismo, no Porto, realizou-se em 18 de Julho de 1880, entre a Alameda de Matosinhos e o Passeio Alegre, na Foz. Depois de algum declínio, o interesse pelo ciclismo aumenta entre os portuenses, com a reorganização, em 1892, do Velo Club do Porto (VCP), depois de 1894, designado por Real Velo Club. É muito provável que os associados do VCP, essencialmente portugueses, se interessassem, também, pelo futebol. Com poucas possibilidades, ou mesmo impossibilitados, de o jogar com quem já tinha experiência (os ingleses do Porto), sabendo pela Imprensa e conversas de café que em Lisboa o futebol florescia entre os portugueses e que o melhor modo de defrontar clubes de futebol lisbonenses, era arranjar um “nome de futebol”, publicitá-lo num jornal de Lisboa e lançar um repto aos clubes e futebolistas de Lisboa. Parece a única – pelo menos a mais verosímil – explicação para entender a notícia do “Diario Illustrado” de 28 de Setembro de 1893.

Pelos documentos da época, em 1893, os elementos do Football-Club do Porto eram, tal como ANA, sócios do VCP. É evidente que se quisessem ter credibilidade para conseguir defrontar futebolistas de Lisboa, não podiam noticiar que o “Velo Club do Porto apure um grupo rijo de jogadores…”. Era a galhofa total em Lisboa. Então velocipedistas portuenses sem experiência de futebol desafiavam futebolistas com experiência em Lisboa? Ridículo! Precisavam de se afirmar como futebolistas para serem aceites. Precisavam de um nome que os individualizasse e demarcasse do ciclismo. E mesmo assim era difícil. Como foi! Aliás, o jogo nunca se realizou!   

Resposta às quatro questões:
A notícia saiu num jornal de Lisboa (e em nenhum do Porto) por que os sócios do VCP, interessados em jogar futebol – arranjando um nome simples que os identificasse Futebol, Club e Porto – queriam divulgar em Lisboa que havia futebolistas na cidade do Porto e que estes tinham interesse (e iriam ter capacidade) para defrontar os de Lisboa. Os sócios do VCP nem queriam mais ninguém, a não ser eles, se não divulgavam o clube nos jornais do Porto para atrair mais jogadores. Não necessitavam de divulgação pública, pois encontravam-se regularmente, porque eram sócios, no VCP.



Dia da fundação como dia do jornal! Quando em 1988, se decidiu ultrajar a história do FCP, alterando a fundação, não havendo documentos, nem NADA, a não ser uma data de saída de uma notícia num jornal, o FCP deixava de ter data exacta (2 de Agosto de 1906) de fundação para um qualquer dia de 1893. Não havendo datas, restava uma data, a do dia da saída da notícia num jornal de Lisboa. Isto é ridículo. Isto devia envergonhar os portistas. A data de fundação do seu clube é a data de um jornal chamado “Diario Illustrado”! Que nada diz acerca de ser esse dia o da fundação do pretenso Football-Club do Porto! Uma aberração! Em concreto, 28 de Setembro de 1893 é a data de saída de uma notícia. Não é a data de fundação desse Football-Club do Porto. Esta ninguém sabe qual é. Podia ser antes ou depois. Ou não passar de uma tentativa, por que ao escrever-se “Fundou-se” estava-se já a afirmar o clube perante os futebolistas de Lisboa. Mesmo assim ninguém lhes ligou. Olhem se ainda fossem escrever: “Vai fundar-se…” ou “Vai tentar fundar-se…”. Era a risota e o descrédito total.
O repto é lançado num jornal de Lisboa, para futebolistas de Lisboa, devido à dificuldade (impossibilidade) em jogar no Campo Alegre, onde se realizavam, ainda que episodicamente, jogos entre equipas de ingleses, com acesso muito restrito, a não ser aos ingleses ou amigos destes. A possibilidade era defrontar outros portugueses, mas estes, só de Lisboa, onde se sabia haver, já, um número elevado de praticantes portugueses.
Se a notícia foi publicada em 28 de Setembro de 1893, teria de ser escrita algum tempo antes, pois ainda demoraria algum tempo a chegar a Lisboa, vinda do Porto e outro tanto tempo até ser decidida e concretizada a sua publicação. Estamos em 1893… a menos que já houvesse telemóveis e internet!

A referência no final da notícia, ao ciclismo, serve para credibilizar os futebolistas. Sendo os “futebolistas” associados do VCP, a modalidade era o ciclismo, que já ganhara importância (e renome) entre os desportistas. Como está escrito, queriam ser no futebol, o que já eram no ciclismo “… para animar os desafios de football como já o são as corridas de cycles.”

Segunda intrujice: A suposta existência
Em 2 de Março de 1894 realizou-se um jogo de futebol entre futebolistas de Lisboa e do Porto. Mas não do Football-Club do Porto. Nos jornais que noticiam a realização do encontro não há qualquer referência a clubes, mas unicamente a cidades, até porque o troféu destinava-se a jogos entre cidades, entre selecções de futebolistas de cidades, não de clubes, como se constata na foto da equipa vencedora, a da cidade de Lisboa (ver bola) e da crónica do jogo.

A Taça (hoje no CIF) tem a seguinte legenda: “Football Championship das Cidades de Portugal”.

Diario Illustrado (Lisboa) 5 de Março de 1894

 
É mentira que fosse um jogo entre o Club Lisbonense e o Football-Club do Porto. Não há nenhuma notícia em qualquer dos jornais que o relatou, depois de 2 de Março de 1894, referente ao jogo, que fale em clubes ou no nome de clubes. É sempre de cidades. O que há é na actualidade uma tentativa de dizer que é o Football-Club do Porto, para dar a este clube uma prova de existência, de pelo menos cinco meses, com um jogo, depois da notícia de 28 de Setembro de 1893.
Se aos jogadores portuenses é mais difícil atribuir-lhes “o clube de origem” pelo facto do futebol nessa cidade ser assunto interno de ingleses sem divulgação conhecida em jornais ou publicações, já os que jogaram por Lisboa consegue-se com facilidade (e justificação em notícias) saber em que clubes jogavam. Então temos:

Posição
Futebolista
Clube
Guarda-redes
Guilherme Pinto Basto
Club Lisbonense
Defesa à direita
M. Keating
Carcavellos Club
Defesa à esquerda
R. Locke
Lisbon Cricket Club
Médio à direita
C.D. Raskin
Lisbon Cricket Club
Médio ao centro
Clyde de Barley
Club Lisbonense
Médio à esquerda
Paiva Raposo
Club Lisbonense
Ponta à direita
F. Palmer
Carcavellos Club
Meio-ponta à dir.
Carlos Villar
Club Lisbonense
Avançado-centro
J. Pittuck
Carcavellos Club
Meio-ponta à esq.
Afonso Villar
Club Lisbonense
Ponta à esquerda
J. Thompson
Carcavellos Club

Assim, temos uma selecção/ misto de onze jogadores a representar a cidade de Lisboa que jogavam, habitualmente, em três clubes: Club Lisbonense (5), Carcavellos Cricket and Football Club (4) e Lisbon Cricket Club (2).

Quanto aos jogadores portuenses, localizar os clubes onde jogavam é mais difícil, optando por indicar para além do clube o ano em que aparecem referenciados como alinhando pelo clube. É fácil de perceber que o ano é posterior a 1894, pois só em finais do século XIX os jornais portuenses começam a relatar os esporádicos jogos de futebol realizados na cidade.

Posição
Futebolista
Clube (1897)
Guarda-redes
Mac Geock
Oporto Cricket Club
Defesa à direita
F.Guindarans
indeterminado
Defesa à esquerda
A. Nugent
Real Velo Club
Médio à direita
Arthur Dagge
Oporto Cricket Club
Médio ao centro
Mac Millan
Real Velo Club
Médio à esquerda
Albert Kendall
Real Velo Club
Ponta à direita
F. Hugh Ponsonly
Oporto Cricket Club
Meio-ponta à dir.
Adolfo Ramos
indeterminado
Avançado-centro
Mac Kechnie
Real Velo Club
Meio-ponta à esq.
R. Ray
Oporto Cricket Club
Ponta à esquerda
Alfred Kendall
Real Velo Club

Assim, temos que em 24 de Fevereiro de 1897, no Campo Alegre, defrontaram-se os dois únicos clubes com futebol, então existentes, na cidade do Porto. O Oporto CC venceu, por 3-0, o Real VC. Dos onze jogadores que haviam jogado pela cidade do Porto, dois não jogaram em 1897, quatro jogavam no Oporto CC e cinco no Real Velo Club, que era tudo indica a origem, em 1893, de uma espécie de secção denominada Football-Club do Porto, nome utilizado para não serem ridicularizados como ciclistas do Porto que queriam defrontar futebolistas de Lisboa.

Finalmente uma pergunta, pois perguntar não ofende.
Deixamos, em baixo, a lista com “Os primeiros 100 sócios da fundação” do FC Porto, como anota José Rodrigues Teles: “De Agosto de 1906 a Abril de 1907, inscreveram-se 100 associados”.


Página 68 da História do FC Porto publicada por José Rodrigues Teles


Numa lista com cem nomes, não há qualquer um que se chame António Nicolau de Almeida. A menos que utilize pseudónimos ou heterónimos.

Então o FCP teve um fundador, presidente e tudo mais que se lhe quiser acrescentar, porque só aumenta o número das mentiras, que nunca foi sócio do FC Porto?

António Nicolau de Almeida (ANA) não consta dos primeiros 100 associados, nem dos restantes! Nunca houve um registo de associado com o seu nome, como demonstra José Rodrigues Teles (que sabia dessa história de 1893, escrevendo que não havia relação entre uma notícia de jornal e as entrevistas que fez a fundadores e associados mais antigos), no 3.º volume da História do FC Porto, publicado em fascículos, em 1956, para comemorar as “Bodas de Ouro do FCP”.

ANA viveu no Porto, foi personalidade no meio financeiro do negócio vinhateiro, certamente conviveu com alguns portistas, viu jogos do FCP e nunca foi sócio do FCP? Mas foi fundador, presidente e tudo o mais que a imaginação lhe queira acrescentar!

ANA faleceu em 21 de Fevereiro de 1948, ou seja, durante 41 anos (entre 2 de Agosto de 1906 e a data do seu falecimento) ignorou, sempre, o clube que fundou!?

Um leitor sugeriu outra pergunta
ANA faleceu 41 anos depois de 1906. O FC Porto homenageou todos os anos, em 2 de Agosto, entre 1911 (falecimento de José Monteiro da Costa) e 1948 (falecimento de ANA) - depois até 1987 - o seu fundador José Monteiro da Costa. Então ANA, estando vivo, nunca corrigiu o erro, nunca esclareceu o que se passou no início do clube, nunca se indignou com tamanha inexactidão, repondo a verdade? Esteve vivo até 1948 e deixou que fosse atribuído a José Monteiro da Costa a paternidade do FC Porto? Nem ele, nem os seus familiares, estes até entre 1948 e 1987, reivindicaram a fundação do clube? Como foi possível? Foi... porque ANA não era mentiroso. Sabia que não tinha sido ele a fundar o FC Porto, mas sim José Monteiro da Costa. ANA era honesto, ao contrário de Pinto da Costa e dos seus cúmplices nesta mentira rasca de fazer o FCP... 13 anos mais velhinho! Lérias...  

O Football-Club do Porto fundado em 1893 não tem actividade desportiva em…
1893…1894…1895…1896…1897…1898…1899…1900…1901…
1902…1903…1904…1905…1906 (até 2 de Agosto…). 
Mentirosos! Vocês são, mesmo, muito mentirosos!

Com mentiras tão grosseiras, inventadas e cultivadas pelo portismo e seus cúmplices, só se deixa enganar quem quer ser enganado… Chega!

Com estas notas encerra-se a explicação dessa aberração que é considerar o FC Porto com data de fundação referente a 28 de Setembro de 1893. A intrujice é tão grosseira que nem merece que se perca mais tempo com ela. Estão aí as notícias, os factos e as explicações. Para bom entendedor meia palavra basta…

Alberto Miguéns

A mentira da Fundação

Em 13 de Março de 2011 o blog EM Defesa do Benfica publicou:


Passam hoje, 13 de Março de 2011, 83 anos sobre uma data vergonhosa – 13 de Março de 1928 - que assinala a estreia do aproveitamento institucional de um clube desportivo e da cobertura que lhe foi dada pelo aparelho político que iria desembocar no “Fascismo Português”.

O FC Porto foi elevado a Instituição de Utilidade Pública passando a usufruir de todos os benefícios daí inerentes (ver imagem do Decreto-Lei do Ministério da Instrução Pública publicado no Diário do Governo).

Recordemos que o Benfica, apenas em 6 de Setembro de 1960, e integrado num lote de cinco clubes (ver imagem do Decreto n.º 43 153) atingiu tal distinção e proveitos. Ou seja, haviam passado... 32 anos e seis meses após a estreia portista como “Clube do Fascismo”!

Esta data, há 83 anos, marca no futebol português o modo, inédito até aí, como um clube se aproveitou, para proveito próprio, da promiscuidade entre o exercício de cargos directivos e a participação no aparelho repressivo do Estado Novo.

Se bem que o FC Porto se aproveitasse muito bem desta promiscuidade, até 25 de Abril de 1974, a sua existência provinciana e regional, num regime centralista, permitiu que fosse o Sporting CP aquele que mais beneficiou com a Situação.

Em 1928, o presidente da Direcção do FC Porto era o inefável fascista Abílio Urgel Horta. Nascido em 17 de Junho de 1896, em Felgar, uma freguesia em Torre de Moncorvo, cedo rumou para a cidade do Porto, onde se formou em Medicina. Aos 31 anos, sendo presidente do FCP e tendo feito amizades, com alguns dos militares que implantaram (28 de Maio de 1926) em Portugal, a Ditadura Nacional que estaria na origem, em 1933, do Estado Novo, consegue com uma “cunha de tamanho fascista” que o Presidente da República Óscar Carmona, Manuel Rodrigues Júnior (Ministro das Finanças) e José Alfredo Mendes de Magalhães (Ministro da Instrução Pública) assinem o Decreto-Lei que fez do FC Porto o pioneiro (e único clube durante 32 anos e seis meses) detentor do estatuto de Utilidade Pública. Este médico fascizóide regressaria à presidência da Direcção portista, entre 1951 e 1953, para “sacar do Poder Autoritário e Repressivo Português” o Estádio das Antas, inaugurado pomposamente em 28 de Maio de 1952, o Dia das Comemorações Fascistas, integrando a inauguração do estádio nas celebrações dos 26 anos da implantação do Regime. O médido fascizóide foi deputado da União Nacional, em diversas legislaturas, mostrando-se particularmente activo, na VI (1953-1957), VII (1957-1961) e VIII (1961-1965). Infelizmente, já não viu a Implantação da Democracia. Como ele, certamente, se indignaria com o poder actual do FC Porto, com este a conotar o Benfica com o Regime que sempre defendeu, e com o qual o seu clube (FC Porto) tanto beneficiou. Ingratidão “pintodacostista”.

Publicamos uma sugestiva fotografia com dois figurões do Fascismo Português – Oliveira Salazar e Óscar Carmona – tendo ambos de cada lado, duas das muitas figurinhas do FC Porto, ambas (a par de Salazar) a fazer a saudação fascista. O primeiro da direita é... Urgel Horta. O primeiro da esquerda é Ângelo César.

O fascista Ângelo César Machado nasceu em 4 de Março de 1900 numa pequena freguesia do distrito Viseu, concelho de Resende, denominada... Andrade. Andrade à nascença, Andrade e fascista toda uma vida. Ângelo César cruzou-se com Salazar (nascido no Vimieiro... Viseu, em 1889) na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, onde Salazar foi seu professor. Estabeleceu-se entre eles uma grande amizade – formou-se em 1924 – com ambos a integrarem o Centro Católico. O fascista Ângelo César esteve na fundação da Milícia Lusitana em 1927, que depois integrou a “Liga Nacional 28 de Maio”, génese da Legião Portuguesa (os delatores do Regime, popularmente designados por “Bufaria”). Ângelo César foi destacado deputado na Assembleia Nacional, fazendo a apologia de Salazar não só como militante do partido único União Nacional, mas com artigos panegíricos a Salazar e ao Fascismo publicados num dos jornais patrocinados pelo Estado Novo, o “Diário da Manhã” órgão de imprensa em que os tipógrados por vezes se “esqueciam” de colocar o “til” porque entendiam classificar melhor as notícias como “Diário da Manha”. Advogado estabelecido na cidade do Porto, enquanto deputado da fascista União Nacional - em três legislaturas {I (1935-1938), II (1938-1942) e III (1942-1945)} - foi presidente da Direcção do FC Porto, entre 1938 e 1939. Morreu em 12 de Julho de 1972, vilipendiado pelos democratas portuenses, a dois anos da Revolução dos Cravos. Que pena não ter assistido, à democracia e ao portismo que conota o Benfica com o Regime de que foi um dos mais influentes sustentáculos no Norte. Ângelo César foi um dos principais responsáveis pela organização da "Bufa Portuense" sendo, em 1937, adjunto político da primeira Junta Central da Legião Portuguesa no Norte de Portugal. Quantos democratas não teria ele "enviado" para Custóias e Peniche!? Apesar dessa vergonhosa promiscuidade - deputado fascista da União Nacional e presidente fascizóide do FC Porto, em simultâneo - o inefável medíocre nosso contemporâneo Bernardino Barros tenta branquear a sua acção fazendo-o passar por um oposicionista ao salazarismo (ver digitalização). Têm cá uma lata, estes portistas.

Fascismo (e FC Porto) Nunca Mais!

Alberto Miguéns

 
D         Decreto do Ministério da Instrução Pública.
13 de Março de 1928



           Decreto n.º 43 153 do Ministério da Educação
Nacional (D-G da EF, D e SE).
6 de Setembro de 1960

              Da esquerda para a direita. Ângelo César (presidente do 
              FC Porto entre 1938 e 1939), Oliveira Salazar (1889/1970), 
              Óscar Carmona (1869/1951)  e Urgel Horta (presidente do FC Porto 
              em 1928/29 e de 1951 a 1953)

domingo, 13 de janeiro de 2013

Clube do Regime 6


in: http://www.avanteplobenfica.com/2011/11/historias-do-clube-do-regime-sporting.html

Histórias do clube do Regime Sporting - De pistola em punho na cabine do Arbitro


A história que tantas vezes querem branquear e que tantas vezes é ignorada pela comunicação social portuguesa, aquela história que os sportinguistas não querem que se conte...
A história que vos vou contar passou nos “históricos” salazaristas anos 50 e 60.
 11 de Novembro de 1956, no Campo da Tapadinha, num Atlético – Sporting.

Ao intervalo o jogo estava empatado 1-1 e, pelos vistos, o presidente do Sporting – Carlos Góis Mota – não estava a gostar da arbitragem de Braga Barros, árbitro de Leiria. Vai daí, não esteve com meias medidas, invadiu a cabine do árbitro e, segundo foi referido na altura, de pistola em punho “aconselhou-o a tomar mais atenção na 2ª parte pois poderia prejudicar-se”.
O Sporting acaba o jogo com uma vitória por 3-1.

Não, não é verdade que Góis Mota fosse da PIDE. Era “apenas” presidente da Legião Portuguesa, uma milícia criada em 1936, que estava sob a alçada dos Ministérios do Interior e da Guerra, e que nas décadas de 50 e 60 se caracterizou pela perseguição e repressão às forças oposicionistas ao regime, para a qual contribuiu o seu Serviço de Informações e a sua vasta rede de informadores.

Nota: O Dr. Carlos Cecilio Nunes Góis Mota tomou posse como presidente do Sporting em 28 de Janeiro de 1953 exercendo o cargo até 31 de Janeiro 1957. Participou por mais nove vezes na Direcção do Clube, duas como vogal e sete consecutivas como vice-presidente, desde 19 de Janeiro de 1946 a 30 de Janeiro de 1952.